Facebook Twitter Google+ email



Menina de 12 anos contou ter discutido com a mãe antes de matá-la, diz delegado


Esta postagem foi publicada em 2 de julho de 2018 Destaque inicial 1.
Vítima é lembrada nas redes como mãe muito amorosa Foto: Facebook/Reprodução
Louise Queiroga

A menina de 12 anos suspeita de ter matado a própria mãe, de 37 anos, em Pinheiro Machado (RS), na última quinta-feira, contou à polícia que houve uma discussão sobre o relacionamento dela com um adolescente de 16 anos. A mãe não aprovava o namoro por causa da diferença de idade entre os dois. Segundo o site “G1”, a família já tinha prestado queixa contra o namorado por estupro de vulnerável — no Brasil, manter relações sexuais com menores de 14 anos é crime. Os jovens enterraram o corpo no quintal de casa, onde também estava a caçula, de 6 anos.

De acordo com o delegado Luis Eduardo Benites, o adolescente teve um momento de remorso e contou o que ocorreu para a família. A menina não demonstrou o mesmo arrependimento, mas Benites frisou que pode ter sido por causa do choque.

— As pessoas têm tanto reações muito próprias decorrentes do choque, quanto pode ser uma questão de frieza. Isso é algo que precisa ser verificado ao longo do tempo — explicou o titular da Delegacia de Polícia de Pinheiro Machado.

Segundo informações preliminares, a outra filha da vítima, de apenas 6 anos, estava em outro cômodo no momento em que sua mãe foi morta com o uso de um martelo. A arma do crime foi enterrada junto com o corpo. A criança será ouvida pela polícia em uma sala especial.

Os suspeitos foram encaminhados para casas de adolescentes infratores. A menina está em Porto Alegre, e o outro suspeito, em Pelotas, também no Rio Grande do Sul. As testemunhas devem prestar depoimento nos próximos 10 dias.

Nas redes sociais, a mãe da suspeita é lembrada como uma pessoa que demonstrava muito amor por suas filhas. Transformado em memorial, seu perfil do Facebook traz uma série de fotos ao lado das meninas e publicações carinhosas para elas.

“‘Eu amo minha família! Minha família, base de tudo! Amo minhas filhas! Amo meu marido, por ele faço tudo! Por minha família, vou até ao fim do mundo!’ Essas eram as palavras dela, que eram repetidas diversas vezes e quem a conhecia sabe”, diz o post de uma amiga.

“Por não aceitar um namoro precoce da filha com alguém que ela achava não ser digno de sua princesa que tanto amava, lutou, brigou e foi desafiada pelos dois, (filha 12 anos e genro 16) que decidiram com golpes de martelo matá-la e enterrar seu corpo no quintal de casa, achando ser a solução para o romance (…) Meus sentimentos mais sinceros”.

Extra Globo

Facebook Twitter Google+ linkedin email More

Notícias em Destaque