O suplente de deputado pelo Partido Colorado, Carlos Rubén “Chicharô” Sanchez Garcete, sofreu um atentado na tarde desta sexta-feira (27) na região rural de Capitan Bado, ao lado de Coronel Sapucaia na fronteira com o Mato Grosso do Sul. Informações dão conta que ele e a pessoa que estava com ele não ficaram feridas porque a caminhonete que eles estavam era blindada.

Acusado de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, Chicharô é uma pessoa muito conhecida e poderosa na região e tinha sido preso em 2016, por ordem do então promotor de Capitan Bado, Hernán Ricardo Mendoza. Ele era acusado de ter armado uma emboscada contra o prefeito eleito de Coronel Sapucaia, Rudi Paetzold (PMDB) e a família dele.

 

Segundo a Polícia Nacional do Paraguai, o atentado desta tarde aconteceu em uma rodovia na Colônia Piray e pelo menos 10 pessoas em vários carros participaram do ataque.

Eles usaram armas longas de alto poder de destruição, “miguelitos” que são dispositivos para furar os pneus de veículos e pelo menos dois galões de combustíveis.

Chicharô teria feito uma manobra na pista e escapado do ataque e depois de entrar em uma fazenda abandonou o veículo e fugiu por uma mata e subiu em um morro, de onde por celular pediu ajuda para a Polícia Nacional de Pedro Juan Caballero.

 

Acusado de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, Chicharô está em uma briga familiar com o irmão Denilso Sanchez, prefeito de Capitan Bado. Recentemente ele teria dado declarações onde pedia desculpas para a população da cidade por ter ajudado eleger “um inútil” para o cargo, se referindo ao irmão.

Não há informações sobre o bando que atacou Carlos Chicharô e nem os motivos do ataque.

MS EM FOCO