Facebook Twitter Google+ email



Tragédia em família: PM mata namorada, primo e comete suicídio


Esta postagem foi publicada em 9 de setembro de 2018 Destaque inicial 5.

Uma desavença de família terminou com três pessoas mortas. Um policial militar atirou contra duas pessoas e se matou em seguida, na noite de sexta-feira (7), em Colombo.

Os envolvidos estavam em uma casa na rua Darwin, bairro Atuba. De acordo com as primeiras informações, o PM Willian Moreira de Almeida, de 29 anos, se desentendeu com seu primo. Durante a briga, ele teria atirado contra o rapaz, mas acertou a cabeça de sua namorada, que tentava separar os dois.

Após atirar contra a cabeça da mulher, ele atirou contra a cabeça de seu primo e então contra a própria cabeça.

O primo do policial morreu no local. Almeida foi socorrido e levado ao Hospital Evangélico e morreu durante a madrugada de sábado (8). A namorada do policial também morreu após dar entrada no Hospital Cajuru.

Atualização

Em nota, o 22º Batalhão da Polícia Militar informou que um inquérito policial militar será aberto para “apurar todas as circunstâncias e informações da ocorrência”. “Neste momento, a PM se reserva a não apontar uma versão do fato ou emitir juízo de valor sobre o que ocorreu para não prejudicar o andamento do Inquérito, que deverá apontar os fatos”, informou a corporação.

De acordo com a PM, a arma usada na situação é uma pistola .40 que pertence à Polícia Militar e foi recolhida para a realização de exames. Willian Moreira de Almeida ingressou na PM em 2016 e estava de folga no momento da ocorrência.

Confira a nota na íntegra:

NOTA DO 22° BATALHÃO SOBRE MORTE  DE POLICIAL MILITAR E FAMILIARES EM COLOMBO – 08.09.2018

Sobre o ocorrido na noite de sexta-feira (07/09), por volta de 23h15, em Colombo (PR), que resultou na morte de três pessoas (um policial militar, sua esposa e o primo dela), o 22° Batalhão de Polícia Militar, no qual o militar estadual era lotado, vai abrir um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar todas as circunstâncias e informações da ocorrência. Neste momento, a PM se reserva a não apontar uma versão do fato ou emitir juízo de valor sobre o que ocorreu para não prejudicar o andamento do Inquérito, que deverá apontar os fatos. 

A arma do policial (pistola .40), a qual pertence à PM, foi recolhida para a perícia e os devidos exames, como já é de praxe em situações de emprego de armamento da Corporação. Paralelamente ao inquérito da PM, a Polícia Civil também fará a devida investigação, pois a ocorrência envolve duas pessoas civis. O militar estadual, que ingressou na PM em 2016, tinha 30 anos, estava de folga no momento da ocorrência e, atualmente, atuava na Companhia de Almirante Tamandaré.

A Polícia Militar lamenta o ocorrido e se solidariza com as famílias que perderam seus entes queridos, e buscará, pelos meios administrativos e jurídicos de sua competência, a completa análise dos fatos com equidade e transparência que ele assim exige. O 22° Batalhão de Polícia Militar está dando apoio aos familiares de todos.

Colaboração Ailton Vieira / Rede Massa

Facebook Twitter Google+ linkedin email More

Nenhuma banner para exibir

Notícias em Destaque